Politics, Business & Culture in the Americas
The Battle Over Fake News

NOVO NA AQ: As democracias latino-americanas vão sobreviver à era das notícias falsas?

A desinformação está diminuindo a confiança nas democracias da região, mas há soluções possíveis.

Este artigo é parte da edição especial da AQ sobre fake news Read in English | Leer en español

A imagem na capa desta edição, com uma foto manipulada do Papa Francisco fumando maconha com o ex-presidente boliviano Evo Morales, seria uma “prova” de que o pontífice argentino é no fundo um socialista decadente, é o exemplo mais recente, e mais ridículo, de fake news que pudemos encontrar. Mas é dificilmente o mais danoso.

Esta reportagem especial da AQ é dedicado à ameaça profunda e possivelmente terminal que notícias falsas e a desinformação representam para as democracias das Américas. Sejam memes alegando falsamente uma fraude eleitoral no Brasil ou anunciando bananas como uma cura milagrosa para a COVID-19 no México, esse dilúvio acelerou uma tendência de declínio da confiança nas instituições democráticas, ao mesmo tempo em que custou inúmeras vidas durante a pandemia. Desiludidas, muitas pessoas estão depositando sua fé em líderes autoritários, que se deleitam com (e em alguns casos alimentam diretamente) a confusão.

As eleições presidenciais no Chile este ano, na Colômbia e, especialmente, no Brasil, no próximo serão um grande teste. Governos, empresas de mídia social e a mídia tradicional anunciam uma série de ferramentas — algumas novas, outras antigas — na esperança de conter a decadência. Mas não existe solução mágica e algumas das curas propostas, como agências de checagem de fatos administradas pelo poder público ou prisão para aqueles que propagam notícias falsas, podem ser piores do que a própria doença. O presidente Jair Bolsonaro e outros líderes parecem determinados a proteger sua “liberdade de expressão” online, estabelecendo um confronto com tribunais e empresas de tecnologia — e possivelmente uma crise constitucional no Brasil.

A única solução viável é a educação: educação midiática e outros programas para ensinar os cidadãos a terem mais discernimento sobre o conteúdo que consomem. As grandes empresas de tecnologia também poderiam aumentar o financiamento de veículos de jornalismo sério (cujo modelo de negócios elas ajudaram a destruir). Mas essas são soluções de longo prazo e requerem uma ampla adesão do público. Até agora, o século XXI tem visto apenas as pessoas se perderem de forma cada vez mais profunda dentro das próprias bolhas que criaram. É perturbadoramente incerto o que poderia mudar isso, se é que existe alguma solução.


Tags: Democracy in Latin America, misinformation, Social Media, The Battle Over Fake News
Like what you've read? Subscribe to AQ for more.
Any opinions expressed in this piece do not necessarily reflect those of Americas Quarterly or its publishers.
Sign up for our free newsletter