Politics, Business & Culture in the Americas

Troca de experiências para combater o Racismo no Brasil e Estados Unidos



Acontece nos próximos dias 20 e 21 de maio, na cidade de Atlanta, Geórgia, mais um encontro do Plano Brasil-EUA de Promoção da Igualdade Étnico-Racial – JAPER, na sigla em inglês. A iniciativa, realizada pelo Departamento de Estado Americano e Governo Brasileiro visa promover o intercâmbio de experiências no combate ao racismo entre os dois países, reconhecendo que as duas nações possuem características semelhantes, por serem democracias multirraciais e compartilharem do mesmo passado escravista.

Esse Plano iniciou-se em março de 2008, quando da visita da então Secretária de Estado, Condoleezza Rice, ao Brasil e pretende engajar os governos, sociedade civil e empresariado para investimentos de longo prazo na promoção da equidade racial. A administração Obama manteve o programa e apoiou a realização de dois encontros, um em Washington DC e outro em Salvador, Bahia, todos em 2009.

O Brasil é a segunda maior população negra do mundo e a maior do hemisfério ocidental. No caso dos Estados Unidos, os afro-americanos representam 14 porcento da população, porém sua influência cultural e política é notadamente reconhecida em todo mundo seja pela música, literatura ou movimentos como o dos Direitos Civis. Portanto, ao que parece, há muitas possibilidades de cooperação entre as duas nações. Para chegar a esse objetivo foi criado um grupo de trabalho (steering group) que está elaborando propostas nas áreas de educação, cultura e comunicação, sistema legal, mercado de trabalho e saúde. No futuro o grupo deve incorporar temas como esportes, moradia e acesso a crédito.

Algumas ações já foram realizadas no âmbito desse programa como o intercâmbio de jovens da Universidade Zumbi dos Palmares—primeira universidade negra do Brasil—e a Xavier Universit, um histórico centro de ensino superior negro em Nova Orleans, Lousiana. Além disso, trinta jovens negros empreendedores visitaram ONGs nos EUA e na área de segurança há um projeto para treinamento de policiais para uma abordagem anti-racista, em curso, no sul do Brasil.

Do ponto de vista histórico, o JAPER parece ser bastante relevante, afinal as barreiras linguísticas e a distância geográfica vêm separando a diáspora africana no Brasil e nos Estados Unidos. Entretanto, é preciso que os dois governos encarem, de fato, este Plano como um projeto de longo prazo e deem a sua devida importância política e não seja apenas mais um elemento de marketing governamental.

No exemplo brasileiro, a sensação é que muito ainda pode ser feito. A Secretaria de Promoção da Igualdade Racial – SEPPIR ainda não deixou explícito quanto será investido na iniciativa e como se dará o diálogo com a sociedade civil—que de certo modo, ainda está a parte das decisões políticas do Plano. Espera-se que com a reunião de Atlanta, para a qual foram convidados movimentos sociais—com critérios definidos pelo Governo Brasileiro—temas como esses possam ser discutidos e que os movimentos sociais tenham uma voz mais ativa, afinal os governos são transitórios, mas a sociedade civil tem uma base mais sólida e constante.

Acompanhe mais sobre o Plano JAPER na página do Facebook e sobre a reunião em Atlanta pelo Twitter do Instituto Mídia Étnica.

*Paulo Rogério Nunes é blogger convidado do AmericasQuarterly.org.  Ele é fundador do Instituto Mídia Étnica em Salvador, Brazil, e é um dos autores na edição de inverno de 2010 da revista Americas Quarterly. Leia seu artigo na AQ.

ABOUT THE AUTHOR

Paulo Rogério is the co-founder of Instituto Mídia Étnica in Salvador, Brazil. His Twitter account is @PauloRogerio81.

 

Like what you've read? Subscribe to AQ for more.
Any opinions expressed in this piece do not necessarily reflect those of Americas Quarterly or its publishers.
Sign up for our free newsletter